#Desafio1LivroPorMês: Morte no Verão

#Desafio1LivroPorMês: Morte no Verão

#Desafio1LivroPorMês: Morte no Verão

Pensa num livro chato…

Morte no Verão foi minha leitura 11/12 do #Desafio1LivroPorMês em 2020 e o segundo livro mais sem graça do ano (o primeiro foi Portal do Destino).

Como adoro romance policial, achei que seria sucesso, mas a trama sobre o magnata que é encontrado com a cabeça estourada por um tiro de espingarda acabou (PASMEM!) me dando sono.

Tanto sono que me demorei na leitura, pois sempre acabava dormindo depois de algumas páginas.

Mas vamos ao que interessa:

A história acontece em Dublin, na década de 50, quando o detetive Hackett e o patologista Garret Quirke se envolvem na investigação da morte de Richard Jewell, o proprietário de grande parte dos veículos de imprensa da Irlanda e diretor do sensacionalista Daily Clarion, o jornal de maior vendagem da capital.

De início, imaginam que Richard tenha cometido suicído, mas Quirke tem fortes suspeitas do contrário.

Na tentativa de solucionar a questão, ele confronta a bela e elegante viúva, com quem tem motivações conflitantes por conta de seu interesse amoroso.

Richard Jewell tinha vários inimigos e aos poucos (tipo, MUITO LENTAMENTE MESMO), os negócios escusos que sustentam o império do magnata começam a ser revelados…⠀

#Desafio1LivroPorMês: Morte no Verão

Minhas impressões:

O ritmo da história é lento e minha solução para terminar o livro foi fazer leitura dinâmica, pulando os longos parágrafos descritivos sobre como a luz do sol refletia no lago dos patinhos numa bela tarde de verão europeu e coisas do tipo.

Eu gosto de textos descritivos, mas quando faz sentido.

No caso de Morte no Verão, achei o estilo muito cansativo.

Foquei na leitura dos diálogos e assim consegui concluir a leitura 100% desperta.