Não li muito no mês passado, mas estou tentando compensar em setembro.

Adorei os três títulos que li nas últimas semanas, mas se tivesse que sugerir apenas um deles, acho que daria a dica de “O Voo da Libélula”.

Peguei emprestado com uma amiga e AMEI!

Minhas leituras de agosto/setembro

O Voo da Libélula

Depois de muito ler e assistir filmes e séries de suspense com mil reviravoltas, não é qualquer coisa que me surpreende.

Fiquei impressionada com esse livro, porque não consegui adivinhar o final antes da hora.

A história é sobre duas famílias, um detetive e um acidente que mudou a vida de todos eles.

Na noite de 23 de dezembro de 1980, um avião caiu na fronteira da França.

A única sobrevivente era uma bebê de apenas três meses, só que havia duas bebês no voo e isso gerou um grande conflito entre duas famílias pela guarda da menina.

Seria ela Lyse-Rose, herdeira de uma família muito rica, ou Émilie, neta de avós humildes?

Como o exame de DNA ainda não existia no início dos anos 80, o caso foi a julgamento. O processo levou muito tempo e mesmo após o veredito final, ainda havia dúvidas sobre a real identidade da pequena sobrevivente.

Uma das famílias acabou contratando um detetive particular para descobrir a verdade e anos depois, o cara ficou numa bad enorme, porque fracassou em sua missão.

E o que ele fez?

Enviou o diário das investigações para a sobrevivente, agora uma universitária de 18 anos, e decidiu tirar a própria vida.

Quando estava pronto para puxar o gatilho, ele descobriu um segredo que mudou tudo e, acreditem ou não, o detetive foi assassinado antes que pudesse revelar a solução do caso.

Mas não é só isso!

Após ler o diário, a sobrevivente ficou TENSA e desapareceu. Agora, quem precisa dar um jeito nesses mistérios e descobrir o paradeiro da garota é seu irmão.

Se você leu até aqui e continua interessado em “O Voo da Libélua”, se joga, porque o livro é surpreendente e esse resumo que eu fiz é apenas o início da história.

Minhas leituras de agosto/setembro

A Boa Filha

Este é o segundo livro da Karin Slaughter que leio e, assim como o primeiro (Flores Partidas), a história gira em torno de duas irmãs.

Fora isso, também é um livro que aborda temas pesadíssimos e com muita violência.

Apesar das quase 500 páginas, li tudo em tempo recorde! Comecei junto com o feriado e terminei no domingo, porque estava enlouquecida atrás do final.

Em A Boa Filha, somos apresentados às irmãs Charlotte e Samantha.

Quando tinham apenas 13 e 15 anos, a família delas foi destruída por um ataque horroroso.

A mãe das meninas foi assassinada e o pai, um advogado de defesa que é odiado por boa parte da cidade, ficou arrasado.

A família se manteve dividida por muito tempo, mas vinte e oito anos depois, quando outro caso de violência acontece na região, Charlotte, agora também uma advogada de defesa, acaba se envolvendo.

Além de ser a primeira testemunha a chegar na cena, ela é obrigada a lidar com as memórias que passou tanto tempo reprimindo.

O início do livro é de partir o coração, mas  o enredo consegue ficar ainda mais angustiante com as revelações finais.

Recomendo para quem tem estômago forte e gosta de resolver mistérios, porque não é uma leitura divertida.

Minhas leituras de agosto/setembro

Objetos Cortantes

Este foi o livro do #ClubeDoLivroDoMarinão de agosto.

Ele é um pouquinho menos pesado do que A Boa Filha e também trata de problemas de família e de lembranças doloridas.

A história é sobre Camille, uma jornalista de Chicago que acabou de sair de um hospital psiquiátrico.

Sua primeira matéria pós internação é sobre o caso do desaparecimento de uma menina e do assassinato de outra, ambas habitantes da cidade natal de Camille.

Hesitante, ela retorna à pequena Wind Gap e reencontra a mãe, o padrasto e a meia-irmã que mal conhece.

Ao conviver com a família que não via há anos e se ver cada vez mais envolvida com o caso policial, Camille revive memórias difíceis da juventude e desvenda segredos horripilantes do passado.

O livro é curtinho e se você não ficar meio na bad com as podridões de Wind Gap, dá pra ler facilmente num final de semana.

Pra quem curte seriados, a HBO lançou recentemente uma mini série baseada em Objetos Cortantes e, exceto por algumas poucas diferenças, ela é bem fiel ao texto.

Valeu a pena assistir!