Categoria

Não é make, mas é demais

Não é make, mas é demais

Não é make, mas é demais: Black Mirror

1

Toda vez que escrevo um novo post sobre seriados, aparece alguém pra comentar “Marina, já assistiu Black Mirror? ASSISTE! Acho que você vai adorar!”.

No último mês, finalmente segui o conselho e depois de terminar o primeiro capítulo, meu queixo estava no chão.

A reação foi tipo…

xYWpfjY

“O que foi isso?”

E logo em seguida…

Sad-Rating-9-Sexy-Rating-8

Deprê.

Há tempos que eu não ficava tão pensativa e até chocada com algo que assisti na televisão…

Talvez por isso eu ainda não tenha terminado todos os episódios disponíveis, já que depois de um ou dois capítulos, preciso de um tempinho para digerir o que aconteceu.

2

5

Mas sobre o que é Black Mirror?

Black Mirror é uma série de “ficção especulativa” em que cada capítulo conta com enredo e elenco completamente diferentes, mas a temática é sempre a mesma:

A sociedade moderna e as consequências do nosso relacionamento com novas tecnologias.

O primeiro episódio da primeira temporada é sobre o sequestro de um membro da realeza e da difícil decisão que o Primeiro Ministro precisa tomar, já que o sequestrador não pede dinheiro e sim algo totalmente inesperado e bizarro.

A situação fica cada vez mais tensa, porque o pedido do sequestrador é transmitido pelo Youtube e em pouco tempo o vídeo é assistido pelo mundo todo.

Não vou dar mais detalhes, porque não quero estragar a história, mas é um soco no estômago.

Tem que assistir!

Black Mirror está disponível na Netflix e abaixo está uma promo curtinha e sem spilers sobre o primeiro episódio:

Posts Relacionados
Não é make, mas é demais
Não é make, mas é demais: Um Milkshake Chamado Wanda
29/06/2017
Não é make, mas é demais
Não é make, mas é demais: Crazy Ex-Girlfriend
30/05/2017
Não é make, mas é demais
Não é make, mas é demais: Spotify
26/05/2017
Não é make, mas é demais

Não é make, mas é demais: The Crown

1

Todo um sentimento de Downton Abbey, porém da vida real, já que The Crown conta a história da avó do William e do Harry, a rainha Elizabeth II.

Essa é a série mais cara da história da Netflix, provavelmente por conta do figurino INCRÍVEL e dos cenários de perder o fôlego.

O começo da história se dá em 1947 e, de acordo com os produtores, The Crown mostrará ao longo de seis temporadas o reinado de Elizabeth II do seu início até os dias de hoje.

2

3

No primeiro capítulo, a família real festeja a união da princesa Elizabeth com o príncipe Philip, recém nomeado Duque de Edimburgo, enquanto a saúde do Rei George piora.

Em pouco tempo, o rei acaba falecendo e Elizabeth, despreparada, se torna rainha décadas antes do previsto.

O combo de roteiro e elenco excelentes resultou em cenas belíssimas que fazem a monarquia parecer mais real.

Além de riqueza e pompa, também há o peso do dever que a coroa traz consigo.

Nesse começo de história, acompanhamos uma Elizabeth mais humana, abatida pela morte do pai e frustrada com as dificuldades que o papel de rainha trouxe à sua vida íntima.

4

5

Nunca achei Dona Elizabete simpática ou calorosa, pelo contrário…

Mas agora eu entendo o motivo dela ser essa figura tão distante.

Gostei muito e recomendo, então bora fazer uma xícara de chá bem quentinho, comprar uns biscoitos amanteigados e correr pra Netflix!

Abaixo, o trailer legendado:

Posts Relacionados
Não é make, mas é demais
Não é make, mas é demais: Um Milkshake Chamado Wanda
29/06/2017
Não é make, mas é demais
Não é make, mas é demais: Crazy Ex-Girlfriend
30/05/2017
Não é make, mas é demais
Não é make, mas é demais: Spotify
26/05/2017
Não é make, mas é demais

Não é make, mas é demais: iZombie

zombie1

Resumindo: Uma série *fofa* sobre zumbis!

iZombie é uma adaptação livre dos quadrinhos de mesmo nome da Vertigo e conta a história de Olivia Moore, uma médica que estava com a vida certinha até ser transformada em morta-viva.

Liv era residente de cardiologia do hospital de Seattle e estava prestes a se casar com o amor da sua vida.

Tudo muda quando ela vai a uma festa num barco e rola um mini apocalipse zumbi!

zombie2

zombie3

Liv é a única sobrevivente e rapidamente nota mudanças em seu corpo:

O cabelo perde a cor, ela não consegue dormir e está sempre com fome por cérebros.

Para manter seu segredo e proteger seu noivo e família, Liv se afasta de todos e abandona a residência no hospital para trabalhar no necrotério do Departamento de Polícia de Seattle.

zombie4

O novo emprego facilita sua dieta de morta-viva e a médica percebe que consegue ver parte das memórias das vítimas ao comer seus cérebros.

Graças a esses flashes de memória, Liv ajuda a polícia a solucionar crimes como se fosse uma espécie de médium/vidente.

iZombie não é uma obra prima da televisão, mas é uma série divertida e fácil de assistir, daquelas que te ajudam a “limpar o paladar” entre um episódio de Narcos e Westworld.

A primeira temporada de iZombie está disponível na Netflix e aqui vai o trailer legendado:

PS: Duvido não ficar viciada no refrão da música da abertura!

Posts Relacionados
Não é make, mas é demais
Não é make, mas é demais: Um Milkshake Chamado Wanda
29/06/2017
Não é make, mas é demais
Não é make, mas é demais: Crazy Ex-Girlfriend
30/05/2017
Não é make, mas é demais
Não é make, mas é demais: Spotify
26/05/2017
Marinão nas Alemanha tudo, Não é make, mas é demais

Não é make, mas é demais: Phantasia Land

0

Parque de diversões não é o que vem à mente quando você pensa em visitar um lugar como a Alemanha, mas graças à Pam, acabei conhecendo o Phantasia Land e foi MUITO legal!

Caso você tenha viagem marcada para a região de Bonn e Colônia, vale a pena reservar um dia para passear por lá!

O parque é dividido em diferentes áreas, cada uma inspirada numa região, ex: China, Velho Oeste Americano, África e México.

Phantasia Land também tem um espaço de Mistério/Medieval e um espaço de Fantasia.

1

Montanha-Russa Taron

6

Carrossel

Eu gosto de sentir fortes emoções e quase tive um treco na mais nova montanha-russa do parque, a Taron, que fica na área medieval.

Meu útero quase saiu pela boca hahaha

A fila demorou um tanto, mas o lugar é tão bonitinho e a Taron foi tão divertida que eu não me incomodei de esperar.

No resto das atrações, não peguei fila por mais de 10 minutos, o que é sempre bom, porque assim a gente não perde a coragem, né?

E haja coragem pra encarar brinquedos como o Talocan na área do México! Ele te gira pra cima, pra baixo e… sobre fogo :)

3

Talocan

5

China Town

Entre um sofrimento e outro nos brinquedos mais radicais, a gente bateu perna por alguns lugares super fofos como China Town.

Essa área não tem atrações emocionantes, mas é tão bonita!

E é em China Town que fica hotel o Ling Bao e seu lindo jardim com lago de carpas <3

Outra área fofa é a Phantasia, voltada para crianças pequenas. Nela tem um lago com pedalinhos, uma montanha-russa mais light e, de acordo com a Pam, a melhor batata frita do parque.

Aproveitando o assunto comida, tenho que comentar dos churros maravilhosos de uma das vendinhas do Phantasia Land.

Pra fechar o dia com chave de ouro, a gente pediu duas porções, uma com chocolate e uma com calda de baunilha.

12 churros para 2 pessoas pode parecer bastante, mas aqui não tem amadores e as porções acabaram rapidinho hehehe

2

Taron

8

Colorado Adventure

Phantasia Land fica em Brühl, uma cidadezinha localizada entre Bonn e Colônia.

Eu saí de Bonn e depois de duas paradas do trem, estava na Hauptbanhof de Brühl, pronta para pegar o ônibus que leva os visitantes a Phantasia Land.

Esse ônibus sai da estação de meia em meia hora e te deixa na entrada principal do parque.

A passagem de ida e volta no busão custa €3,00 euros e na hora de ir embora, é só pegar o ônibus mais uma vez para retornar à Hauptbanhof de Brühl. Aqui tem toda a info de como chegar ao parque!

7

Montanha-russa Black Mamba e churros

O ingresso para adultos varia de preço dependendo da época do ano. No verão, ele custa €45,00 euros e no inverno, €39,50 euros.

Crianças com menos de 4 anos tem entrada gratuita.

O preço para crianças de 4 a 12 anos, mulheres grávidas e adultos acima dos 60 é mais baixo: €29,00 euros no verão e €26,00 euros no inverno. Mais info sobre ingressos aqui!

Posts Relacionados
Não é make, mas é demais
Não é make, mas é demais: Um Milkshake Chamado Wanda
29/06/2017
Não é make, mas é demais
Não é make, mas é demais: Crazy Ex-Girlfriend
30/05/2017
Não é make, mas é demais
Não é make, mas é demais: Spotify
26/05/2017
Não é make, mas é demais

Não é make, mas é demais: The Last Podcast On The Left

_lpontl1

Esse podcast da Cave Comedy Radio com Ben Kissel, Marcus Parks e Henry Zebrowski é muito divertido!

Os apresentadores são tão engraçados que é difícil não dar algumas risadas mesmo que o tópico do dia seja um assassinato ou outro acontecimento horroroso.

Pra quem se interessa por psicopatas, serial killers e histórias de crime famosas ou obscuras, The Last Podcast On The Left é um prato cheio!

Seu arquivo tem mais de 200 episódios nos quais Ben, Marcus e Henry exploram assassinatos, sequestros, conspirações, cultos e até atividade paranormal.

_tlpotl2

Não escuto os programas sobre atividade paranormal e aliens, mas adoro os episódios sobre serial killers.

Exceto por alguns casos, acredito que as pessoas não nascem ruins, então sempre fui fascinada pelas histórias de infância de criminosos notórios, tentando entender qual fator ou combinação de fatores fez com que eles se tornassem figuras desumanas.

Nesse sentido, The Last Podcast On The Left é muito bacana, porque os apresentadores começam cada capítulo expondo sua pesquisa sobre a família, criação e acontecimentos importantes na vida dessas pessoas.

E, como eu disse lá no início do post, é divertido!

O assunto é sério, mas é apresentado com humor (que muitas vezes passa longe do politicamente correto), imitações e vozes engraçadas do trio de comediantes.

Se você também gosta desse tipo de coisa e fala inglês, vale a pena conferir!

Toda quarta-feira tem episódio novo no site da Comedy Cave Radio e, para começar, recomendo os episódios sobre H. H. Holmes.

Posts Relacionados
Não é make, mas é demais
Não é make, mas é demais: Um Milkshake Chamado Wanda
29/06/2017
Não é make, mas é demais
Não é make, mas é demais: Crazy Ex-Girlfriend
30/05/2017
Não é make, mas é demais
Não é make, mas é demais: Spotify
26/05/2017
Não é make, mas é demais

Não é make, mas é demais: Westworld

ww1

Enquanto Game of Thrones não volta, eu me entretenho com a última novidade da HBO: Westworld, um thriller de ficção científica com um pé no velho oeste.

Criada por Jonathan Nolan, irmão do diretor Christopher Nolan, e produzida por J. J. Abrams, a série é baseada no filme Westworld do novelista Michael Crichton, criador de ER e Jurassic Park, e tem um dos orçamentos mais altos da HBO.

Já falei do elenco super estrelado com Evan Rachel Wood, James Marsden, Ed Harris e Anthony Hopkins?

Então!

Elenco de primeira que tem até um pouco de Brasil com Rodrigo Santoro ali no meio…

ww2

ww3

A história da série acontece em Westworld, um parque de diversões com temática do Velho Oeste.

Criado pelo Dr. Robert Ford (Anthony Hopkins), Westworld é habitado por androides tecnologicamente super avançados e tão visualmente perfeitos que você tem dificuldade de diferenciar quem é robô e quem é ser humano nos primeiros minutos da série.

Nesse parque, pessoas com muito dinheiro podem viver todas as suas fantasias sem medo das consequências.

Podem cavalgar livremente por Westworld, tomar drinks no velho bar e duelar com bandidos…

Também podem ir a uma das fazendas da região para estuprar e matar uma família de androides.

Pesado, não é mesmo?

Até onde o ser humano é capaz de ir quando não há consequências?

ww4

Ao longo dos anos, os androides ou “anfitriões” de Westworld foram ficando cada vez mais humanos tanto na aparência quanto nos trejeitos.

Fisicamente, eles são quase tão reais como nós, mas não pensam por si mesmos.

Os anfitriões seguem uma narrativa com o mínimo de improviso possível e não são capazes de ferir sequer uma mosca.

Ou pelos menos é assim que deveria ser…

Não quero estragar a série para ninguém, então vou encerrando o post por aqui.

Assistam Westworld, porque o seriado é muito bom! O visual é lindo, o elenco é incrível e a temática de comportamento humano, inteligência artificial, moralidade e fantasia é super interessante.

Posts Relacionados
Não é make, mas é demais
Não é make, mas é demais: Um Milkshake Chamado Wanda
29/06/2017
Não é make, mas é demais
Não é make, mas é demais: Crazy Ex-Girlfriend
30/05/2017
Não é make, mas é demais
Não é make, mas é demais: Spotify
26/05/2017
Fechar