Categoria

Não é make, mas é demais

Não é make, mas é demais

Não é make, mas é demais: Um Milkshake Chamado Wanda

Hoje é quinta-feira e eu tô animada, porque é dia de episódio novinho do podcast Um Milkshake Chamado Wanda. AMO!

Já comentei dele num vídeo de favoritos aleatórios, mas tenho que postar no blog também, porque Wanda me acompanha no dia a dia do home office e eu dou altas risadas escutando Samir, Marina e Phelipe comentando as novidades do mundo pop e ajudando a comunidade #Wander com suas tretas.

É tão, mas TÃO divertido!

O podcast geralmente tem um ou dois convidados além do elenco fixo e vários quadros ótimos como o Interessanteney, que é quando o pessoal do podcast dá dicas de livrosney, seriadosney e filmesney (tá atento à toda essa coisa Britney?) que eles curtiram nos últimos tempos.

Também tem o Lotus e o Meryl da semana, quando cada um deles comenta o #FAIL e o melhor das novidades e babados. Lotus é uma referência à turnê da Christina Aguilera que flopou e Meryl é de Meryl Streep, musa divina do cinema que só dá bola dentro.

Se você tá procurando algo legal pra escutar no trabalho, no ônibus a caminho da aula ou em qualquer lugar, não perde o Wanda! É muito amor <3

Duvido você não rir com o quadro Ajuda Wanda e os conselhos desse trio! Abaixo está o episódio de Dia dos Namorados que contou com participação da fofa Maíra Medeiros do canal Nunca Te Pedi Nada.

Clica no play!

Posts Relacionados
Não é make, mas é demais
Não é make, mas é demais: Crazy Ex-Girlfriend
30/05/2017
Não é make, mas é demais
Não é make, mas é demais: Spotify
26/05/2017
Não é make, mas é demais
Não é make, mas é demais: Chewing Gum
31/03/2017
Não é make, mas é demais

Não é make, mas é demais: Crazy Ex-Girlfriend

Foto: Divulgação / CW

Não foi amor à primeira vista na minha listinha da Netflix, mas acho que esse caso com Crazy Ex-Girlfriend vai durar por um bom tempo, viu?

Parafraseando a música tema da série, Rebecca Bunch trabalhava duro em Nova Iorque, mas isso a deixava triste. Depois de um encontro casual na rua com seu ex dos tempos da adolescência, Josh, ela decide pedir demissão da firma de advocacia e mudar para West Covina, Califórnia, uma cidade pequena e sem muita graça que “por coincidência” também é o lar do seu ex.

Sabe quando você tem um crush e fica bolando vários planos para encontrar com ele casualmente por aí? Multiplique esses planos pela milésima potência e você terá Crazy Ex-Girlfriend, uma comédia musical romântica que não se leva nem um pouco a sério.

Fotos: Divulgação / CW

Logo que comecei a assistir, achei meio exagerada, especialmente pelos números musicais, mas hoje em dia eles são parte do que eu mais adoro em cada episódio.

E já que estamos no assunto, vale ressaltar que os criadores da história, Ms. Bloom e Aline Brosh McKenna, – roteirista de filmes como “O Diabo Veste Prada” e  “Vestida Para Casar” – importaram parte do elenco principal diretamente do teatro de Nova Iorque.

Fotos: Divulgação / CW

Apesar das situações malucas que Rebecca vive, dá pra se identificar com ela. Afinal, todo mundo mundo aqui acredita no poder do amor, não é?

Quem nunca ficou um tempo obcecada por boy que nem era tudo isso? Ou fez o papel de jornalista investigativa/ stalker do ex no Facebook?

Se você gosta de musicais como “A Escolha Perfeita” ou de seriados mais coloridos e bem humorados como “Jane The Virgin” e “Unbreakable Kimmy Schmidt”, acho que vale a pena dar uma chance para Crazy Ex-Girlfriend.

Abaixo está o trailer (infelizmente não achei versão com legenda em português):

Posts Relacionados
Não é make, mas é demais
Não é make, mas é demais: Um Milkshake Chamado Wanda
29/06/2017
Não é make, mas é demais
Não é make, mas é demais: Spotify
26/05/2017
Não é make, mas é demais
Não é make, mas é demais: Chewing Gum
31/03/2017
Não é make, mas é demais

Não é make, mas é demais: Spotify

Foto: Shutterstock.com

Há tempos que me falam do Spotify – algumas leitoras até sugeriram de eu montar uma playlist por lá com as músicas dos vídeos de recebidos – mas só agora que eu realmente comecei a usar o serviço.

Se você também está por fora do que é o Spotify, aqui vamos nós:

Spotify é um serviço de streaming de músicas. Pense Netflix, só que com o foco em áudio!

Você pode acessar milhões de músicas de graça, criar e compartilhar playlists e ficar por dentro do que seus amigos estão ouvindo.

Spotify também tem uma versão Premium que é paga e a principal diferença da Premium é que não há comerciais inseridos entre as músicas. Como eu não me importo com eles, continuo com a opção grátis.

Outra vantagem interessante da Premium é que você pode baixar as músicas e ter acesso à sua playlist mesmo que o celular ou computador não estejam conectados à internet.

E como funciona?

Você entra no site www.spotify.com, cria sua conta (dá pra conectar com a conta do Facebook) e baixa o app pro computador. Ele também está disponível no celular, então é só passar na App Store ou no Google Play e fazer o download.

Foto: Shutterstock.com

Com a conta criada e o app instalado, você pode fazer uma busca pelas músicas do seu interesse e pesquisar por categorias/estilo musical, novos lançamentos e pelas faixas mais populares no Brasil e no mundo.

Pode criar playlists variadas para escutar sempre que quiser e também pode escutar as playlists dos seus amigos e dos seus artistas favoritos.

Ainda estou meio perdida com a quantidade de opções, mas já montei minha primeira playlist com as músicas que tenho escutado bastante nos últimos tempos. Pra seguir, clica aqui!

Tem de tudo: pop anos 80, pagode anos 90, breguices, rock e outras coisas aleatórias. Se você gosta das músicas que eu escolho pra abertura dos Recebidos, as chances de encontrar algumas pérolas nessa playlist é grande :)

Quem tiver dicas do Spotify pra compartilhar, porfa!, comenta. Me ajudará bastante!

Posts Relacionados
Não é make, mas é demais
Não é make, mas é demais: Um Milkshake Chamado Wanda
29/06/2017
Não é make, mas é demais
Não é make, mas é demais: Crazy Ex-Girlfriend
30/05/2017
Não é make, mas é demais
Não é make, mas é demais: Chewing Gum
31/03/2017
Não é make, mas é demais

Não é make, mas é demais: Chewing Gum

Logo que comecei a assistir Chewing Gum, achei tudo meio exagerado e o humor um tanto estranho, mas não demorei a me tornar #TeamTracey.

Se você gosta de séries como Unbreakable Kimmy Schmidt, vale a pena conferir, viu? Tracey Gordon, a protagonista de Chewing Gum, compartiha com Kimmy Schmidt a inocência quase infantil e o gosto por modelitos bem coloridos.

Devorei a primeira temporada em menos de 24 horas, o que não foi muito difícil, já que ela tem apenas seis episódios de 20 minutos cada.

Mas vamos ao que interessa…

A história gira em torno da Tracey, uma jovem de família cristã que namora há seis anos um cara super religioso que é contra qualquer intimidade antes do casamento.

Nesse tempo todo, eles sequer se beijaram!

Como vocês podem imaginar, a menina estava subindo pelas paredes!

Depois de uma transformação estilo Beyoncé que contou até com peruca, o boy não entrou no clima e ok, foi mega chato, mas serviu para Tracey decidir ser mais ela e ligar o foda-s*.

ADORO!

Tô amando Michaela Coel, a criadora e protagonista do seriado!

O enredo de Chewing Gum é levemente inspirado em sua vida e num monólogo que a atriz apresentou no teatro uns anos atrás.

Ela é tão maravilhosa que foi vencedora do BAFTA 2016 na categoria de melhor atriz num programa de comédia.

Chewing Gum está disponível na Netflix e a segunda temporada estreará em breve, dia quatro de abril :)

Posts Relacionados
Não é make, mas é demais
Não é make, mas é demais: Um Milkshake Chamado Wanda
29/06/2017
Não é make, mas é demais
Não é make, mas é demais: Crazy Ex-Girlfriend
30/05/2017
Não é make, mas é demais
Não é make, mas é demais: Spotify
26/05/2017
Não é make, mas é demais

Não é make, mas é demais: Podcast “My Favorite Murder”

mfm1

Apenas sonho em ser amiga de Georgia e Karen, as responsáveis pelo podcast “My Favorite Murder“.

Como eu já comentei por aqui, adoro histórias de crimes reais e como esse não é um bom assunto para discutir com os amigos no bar (porque a maioria das pessoas não curte conversar sobre homicídio), estou sempre em busca de documentários, livros e podcasts sobre o tema.

Recentemente, encontrei My Favorite Murder e, diferente de outros podcasts que já recomendei por aqui, o forte desse não é a pesquisa dos fatos.

A graça de cada episódio está na amizade de Georgia e Karen!

Elas se reúnem semanalmente para falar de assassinato e vem preparadas com histórias para compartilhar entre elas e com seus ouvintes num formato de conversa mais casual.

mfm2

Além dos casos escolhidos pelas duas, os episódios de uma hora são preenchidos com comentários engraçados sobre maquiagem e roupas, vida em família e bichinhos de estimação, contribuições dos ouvintes com histórias de homicídios famosos em suas cidades natais e recomendações de séries, filmes e documentários sobre crime.

Mas o mais legal de tudo é que as duas conseguem manter um clima leve mesmo tocando em um assunto tão delicado.

Ao final de cada episódio, a dupla tenta lembrar de algo bom que aconteceu durante a semana e, por muitas vezes, a gravação é encerrada com os miados de Elvis, o gato siamês vesgo de Georgia.

É bom demais!

Mais alguém aqui já conhece esse podcast? Tô super viciada e quase acabando o arquivo que tem mais de 50 episódios.

Happy Monday, Murderinos! From #ElvisTheSiamese #elviswantsacookie

Um vídeo publicado por My Favorite Murder Podcast (@myfavoritemurder) em

Posts Relacionados
Não é make, mas é demais
Não é make, mas é demais: Um Milkshake Chamado Wanda
29/06/2017
Não é make, mas é demais
Não é make, mas é demais: Crazy Ex-Girlfriend
30/05/2017
Não é make, mas é demais
Não é make, mas é demais: Spotify
26/05/2017
Não é make, mas é demais

Não é make, mas é demais: Podcast “You Must Remember This”

2

Gosto muito de escutar podcasts durante o trabalho ou antes de dormir e um dos meus preferidos dos últimos tempos é “You Must Remember This“, um podcast que tem o primeiro século de Hollywood como tema.

A narração tem um quê de filme noir e a pesquisa feita para cada episódio é impecável!

Dos artistas mais famosos até figuras desconhecidas do público, You Must Remember This explora casos curiosos da Era de Ouro do cinema americano nos mínimos detalhes.

E como eu acabei encontrando esse podcast?

Por conta da série de episódios sobre Charles Manson que, por sinal, é excelente.

Adoro histórias sobre crimes reais e sim, eu sei que isso é estranho e um tanto macabro, mas a realidade muitas vezes  me parece mais incrível e envolvente do que a ficção.

Já assisti documentários sobre a Família Manson e a série em 12 partes de You Must Remember This consegue ser ainda mais completa do que muitos deles.

Além da figura de Manson, ela vai fundo na realidade de Los Angeles no final da década de 60.

De Doris Day ao ocultista Kenneth Anger, o podcast expõe todas as conexões e ramificações do caso, incluindo o exílio de Polanski.

1

Após devorar todos os capítulos sobre a Hollywood de Charles Manson, me apeguei à mini série de seis episódios sobre Joan Crawford.

Conhecia pouco da história dela e muito do que eu lembrava envolvia o filme Mamãezinha Querida, baseado no livro autobiográfico Mommy Dearest que foi escrito por uma das filhas da atriz e que descreve Joan como uma mãe abusiva.

Da infância humilde ao estrelato, a história de Crawford é muito marcante! Vale a pena escutar :)

Posts Relacionados
Não é make, mas é demais
Não é make, mas é demais: Um Milkshake Chamado Wanda
29/06/2017
Não é make, mas é demais
Não é make, mas é demais: Crazy Ex-Girlfriend
30/05/2017
Não é make, mas é demais
Não é make, mas é demais: Spotify
26/05/2017
Fechar